25.5 C
Brasília
Home Brasília GDF abre mais duas repúblicas LGBTQIA+ no Distrito Federal

GDF abre mais duas repúblicas LGBTQIA+ no Distrito Federal

Em cada residência, o instituto Ipês está com equipe específica com quatro profissionais para prestar assistência psicossocial aos moradores | Foto: Divulgação: Sedes

O Distrito Federal tem, agora, três repúblicas LGBTQIA+. A primeira foi aberta ainda em maio. As outras duas, nesta semana. São, ao todo, vinte vagas para pessoas em situação de vulnerabilidade desse público. A localização das casas não é revelada para garantir a privacidade e a segurança dos beneficiados.

“Esse serviço oferece proteção para pessoas que estão em situação de vulnerabilidade social, em risco pessoal, com vínculos familiares rompidos ou fragilizados”, explica a gerente do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) Diversidade, Árina Costa. A unidade é a que referencia institucionalmente as pessoas acolhidas.

Desde o início da pandemia da covid-19, o Creas Diversidade e o Serviço Especializado em Abordagem Social (Seas) fizeram cerca de 1,4 mil atendimentos de pessoas LGBTQIA+. Para Árina Costa, o aumento do número mostra o impacto socioeconômico da disseminação do vírus nessa comunidade.

Independentemente do aumento da demanda gerado pela pandemia, a abertura das repúblicas era uma demanda antiga. “Essas casas têm como principal objetivo gerar autonomia e promover o protagonismo de quem mora lá”, enfatiza a secretária de Desenvolvimento Social substituta, Ana Paula Marra.

“Essas casas têm como principal objetivo gerar autonomia e promover o protagonismo de quem mora lá”Ana Paula Marra, secretária substituta de Assistência Social

O papel do Estado é ofertar a estrutura necessária e fazer a gestão, em parceria com o Instituto Ipês – instituição parceira da Sedes –, das unidades. O asseio, as tarefas e a organização cotidiana do espaço são de responsabilidade das pessoas residentes. “É um estilo muito parecido com uma república estudantil”, explica a coordenadora das equipes técnicas das repúblicas LGBTQIA+ do DF, Ludymilla Santiago.

Apesar de a primeira república ter sido aberta há menos de três meses, já há resultados. “A maioria está trabalhando, e conseguiu o emprego depois de entrar na república”, conta a gestora.

Como chegar às repúblicas?

O Creas Diversidade e o Seas recebem as demandas encaminhadas por instituições parceiras ou diretamente, pelo e-mail centrodadiversidade@sedes.df.gov.br. As únicas exigências é ter idade acima de 18 anos e se enquadrar no público atendido. As pessoas interessadas podem enviar mensagem eletrônica com a descrição da sua necessidade e um telefone para contato.

Após a análise técnica, os beneficiários podem morar em uma das três repúblicas pelo período de até um ano. Paralelamente, são incluídos em outros programas sociais, como o DF Sem Miséria e o Cartão Prato Cheio, de acordo com a situação social.

Em cada residência, o instituto Ipês está com equipe específica com quatro profissionais para prestar assistência psicossocial aos moradores. O objetivo é que cada beneficiário possa alcançar sua autonomia e integração social.

 

*Com informações da Sedes

Fonte: Agência Brasília

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Most Popular

Eletrônicos doados a sete escolas da rede pública de ensino 

“Nossa intenção é promover o acesso a dispositivos e à conectividade nessas escolas” Raimundo Ribeiro, diretor-presidente da AdasaCom o objetivo de contribuir para...