- PUBLICIDADE -

DF tem o terceiro menor índice de inflação do país, constata IBGE

As quedas dos preços foram desde alimentos a combustíveis; a baixa é reflexo da crise econômica gerada com a pandemia de covid-19

Por Redação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatísticas (IBGE) mostra que o Distrito Federal ficou está em terceiro lugar, entre os Estados brasileiros, no ranking das menores taxas de inflação. O registro foi de queda de -0,50%, com destaque para transporte (-7,35%), habitação (-0,39), vestuário (-1,00) e artigos de residência (-0,65).

O DF ficou atrás apenas de Goiânia (-0,89%) e Curitiba (-0,79%). A queda, em momentos de pandemia que gerou desemprego e baixa na renda do trabalhador, foi vista por especialistas como algo positivo. “Essa retração significa que os consumidores locais estão gastando menos para adquirir os produtos e serviços do que quantos gastaram no mesmo período de 2019”, disse a gerente de Contas e Estudos Setoriais da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Jessika Milker Figueiredo.

Na prática, os alimentos, por exemplo, ficaram mais barato o que, até certo ponto, pode compensar o baixo poder comprar das famílias. Alguns gêneros alimentícios tiveram quedas bruscas, como foi o caso do No grupo de alimentos, o mamão apresentou queda de -15,52% e o pimentão -10,21%.

Por outro lado, o setor produtivo, que também tem sentido os efeitos da paralisação comercial em razão da pandemia de covid-19, deve também ter visto com bons olhos o preço do óleo diesel que teve variação negativa de -20,46% e do etanol -10,84% no ano.

O IPCA-15 avaliou preços no período de 15 de maio a 15 de junho de 2020 e comparados com aqueles vigentes de 15 de abril a 14 de maio de 2020.

Cartão Prato Cheio

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) do DF libera hoje, 25, a segunda parcela do benefício Cartão Prato Cheio. O programa é destinado a famílias de baixa renda durante o período da pandemia. Ele não impede que as pessoa também recebam auxilio do governo federal, como o auxílio emergencial de R$ 600.

O valor de R$ 250 será creditado nos cartões das 5.841 pessoas que receberam o benefício em maio

A Sedes informa que ao todo 5.841 pessoas vão receber a segunda parcela, cujo valor é de R$ 250.
“O Cartão Prato Cheio, que substitui a entrega das cestas básicas em domicílio, é um auxílio de segurança alimentar e nutricional, com transferência de crédito para aquisição de itens da cesta de alimentos e de pão e leite”, informa a Secretaria.

Para sacar o dinheiro, o beneficiário basta ir a um caixa eletrônico do Banco de Brasília (BrB) munido com cartão do programa.

Para mais informações clique aqui.

Fonte Blog do Ulhoa

- PUBLICIDADE -

Últimas

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

Alunos do Renova-DF fazem reparos no Shopping Popular de Ceilândia

Por Fernanda Santos As equipes do Renova-DF já estão executando serviços de reparo e reforma no Shopping Popular de Ceilândia. Segundo o instrutor-chefe do programa,...

Avenida Central de Taguatinga não será mais interditada neste sábado

Por Fernanda Santos A avenida central de Taguatinga não será interditada, conforme estava previsto para ocorre neste sábado (28). Segundo o Governo do DF (GDF),...

Na Hora da Rodoviária recebe mutirão da Defensoria Pública da União

Por Fernanda Santos A agência do Na Hora, na rodoviária do Plano Piloto, vai estar aberta neste sábado (28), das 13h30 às 18h, para atender...