- PUBLICIDADE -

Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A

O Ministério da Saúde avalia a inclusão de dois medicamentos para tratamento de pacientes com hemofilia A no Sistema Único de Saúde (SUS). A doença é mais comum em homens, é hereditária e se caracteriza pela deficiência na coagulação do sangue, fazendo com que o paciente tenha dificuldade para estancar sangramentos.

A inclusão dos medicamentos Alfadamoctocogue Pegol e Alfarurioctocogue Pegol no tratamento de pacientes da rede pública teve recomendação favorável pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), órgão que avalia a incorporação de novos remédios. A decisão final será do ministério.

Uma audiência pública promovida pela Conitec foi realizada hoje (26) para ouvir especialistas sobre a inclusão dos medicamentos.

Na avaliação de Mariana Freire, fundadora da Associação Brasileira de Pessoas com Hemofilia (Abraphem), a incorporação dos medicamentos poderá diminuir a quantidade de infusões durante o tratamento.

Segundo Mariana, a infusão endovenosa é uma barreira ao tratamento, que é feito a partir da aplicação do fator de coagulação na veia do paciente para prevenir as hemorragias.

“Ambos [medicamentos] representam um impacto bastante positivo na rotina do tratamento das pessoas com hemofilia. A diminuição da frequência de infusões endovenosas de três para duas vezes por semana, ou de três vezes por semana para uma vez a cada cinco dias, representa muito mais do que 30% ou 50% menos infusões, representa um fardo menor no tratamento desses pacientes, uma carga emocional a menos para eles e suas famílias”, afirmou.

Na avaliação do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti Neto, o objeto da inclusão dos remédios no tratamento oferecido no SUS é o bem do paciente, levando em conta considerações bioéticas.

“O SUS tem a missão de integralidade e universalidade para garantir a proteção da vida e a qualidade de vida a todos brasileiros”, comentou.

Os medicamentos são produzidos pelos laboratórios Bayer e Takeda Brasil.

Fonte: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

Últimas

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo